quinta-feira, 25 de novembro de 2010

CONSTRUINDO E CANTANDO


Tia Lúcia enviou-me uma apresentação com o texto abaixo. Sua autoria é desconhecida, mas quem o escreveu, conseguiu fazer uma excelente analogia com as coisas em nossa vida.

"Já observou a atitude dos pássaros diante das adversidades?

Os pássaros ficam dias e dias recolhendo materiais, muitas vezes trazidos de locais distantes, para a confecção de um ninho.

Quando ele já está pronto e a fêmea preparada para botar os ovos, a inclemência do tempo ou a ação do homem ou de algum animal, destrói o que foi construído com tanta dedicação e esforço.

O que faz o pássaro? Desiludido, abandona a tarefa? Não! Começa tudo outra vez, até que no ninho possam ser colocados os ovos.

Muitas vezes, antes do nascimento dos filhotes, um animal, uma criança, um adulto ou uma tormenta, volta a destruir o ninho, agora com seu precioso conteúdo.

Dói recomeçar do zero mas ainda assim, o pássaro jamais emudece, nem retrocede, segue cantando e construindo, construindo e cantando.

Alguma vez, meu amigo, minha amiga, você sentiu que sua vida, seu trabalho, sua família, seus amigos não são o que você sonhou? Já teve vontade de dizer: BASTA! Não vale a pena o esforço, isto é demasiado para mim?

Você está cansado de recomeçar, do desgaste da luta diária, da confiança traída, das metas não alcançadas quando estava a ponto de conseguir?

Mesmo que a vida o golpeie mais uma vez, não se entregue nunca! Faça uma oração, ponha sua esperança na frente e avance. Junte os pedaços de sua esperança, arme-a de novo e volte a ir em frente.

Não importa o que você já passou ou esteja passando. Jamais desanime. Siga adiante. A vida é um desafio constante, mas vale a pena aceitá-lo.

Ah! Sobretudo… Nunca deixe de cantar!"

( Foto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

domingo, 21 de novembro de 2010

TERAPIA DO ELOGIO

Minha amiga Regina enviou-me esta mensagem, cuja autoria é atribuída a Arthur Nogueira.

Realmente, achei bem interessantes e verdadeiros estes princípios. Por coincidência, estou lendo um livro do Augusto Cury, que trata de mudança de atitude para mudar nossas vidas, e no meu entendimento, tem algo a ver com este texto também.

"Renomados terapeutas que trabalham com famílias, divulgaram uma recente pesquisa onde nota-se que os membros das famílias brasileiras estão cada vez mais frios: Não existe mais carinho, não valorizam mais as qualidades e só se ouvem críticas. As pessoas estão cada vez mais intolerantes e se desgastam ‘valorizando os defeitos’ dos outros. Por isso, os relacionamentos de hoje não duram.

A ausência de elogio está cada vez mais presente nas famílias de média e alta renda. Não vemos mais homens elogiando suas mulheres ou vice-versa, não vemos chefes elogiando o trabalho de seus subordinados, não vemos mais pais e filhos se elogiando; amigos, etc.

Só vemos pessoas fúteis valorizando artistas, cantores, pessoas que usam a imagem para ganhar dinheiro e que, por conseqüência são pessoas que tem a obrigação de cuidar do corpo, do rosto.

Essa ausência de elogio tem afetado muito as famílias.

A falta de diálogo em seus lares, o excesso de orgulho impede que as pessoas digam o que sentem e levam essa carência para dentro dos consultórios. Acabam com seus casamentos, acabam procurando em outras pessoas o que não conseguem dentro de casa.

Vamos começar a valorizar nossas famílias, amigos, alunos, subordinados. Vamos elogiar o bom profissional, a boa atitude, a ética, a beleza de nossos parceiros ou nossas parceiras, o comportamento de nossos filhos.

Vamos observar o que as pessoas gostam. O bom profissional gosta de ser reconhecido, o bom filho gosta de ser reconhecido, o bom pai ou a boa mãe gostam de ser reconhecidos, o bom amigo quer se sentir querido, a boa dona de casa valorizada, a mulher que se cuida, o homem que se cuida, enfim vivemos numa sociedade em que um precisa do outro; é impossível um homem viver sozinho, e os elogios são a motivação na vida de qualquer pessoa.

Quantas pessoas você poderá fazer feliz hoje elogiando de alguma forma?"

sábado, 20 de novembro de 2010

CAMARÃO SAFADO

Estava eu de férias em Ubatuba (SP) e resolvi comprar um camarão para fazer em casa.

Cheguei em uma peixaria que fica nos arredores do mercado de peixe de Ubatuba e perguntei para a balconista o preço do camarão grande. Ela me mostrou em um quadro.

Ciente do preço, comecei a pegar os camarões (como faço sempre), para entregar para a balconista pesar, quando fui interrompido por ela, me dizendo que eu não podia fazer aquilo.

Bastante confuso com a situação, perguntei o motivo. Ela me disse que seria ela quem escolheria os camarões e não seriam apenas camarões grandes, mas camarões de todos os tamanhos.

Disse à ela que estava pagando o preço (extremamente salgado) dos camarões grandes e que queria levar a mercadoria pela qual eu estaria pagando. A balconista disse que não poderia ser deste jeito, e que eu teria que levar camarões médios e pequenos também.

Agradeci a atenção da balconista e saí da peixaria sem levar nada. Fico bastante surpreso com pessoas que agem de maneira incorreta, e que quando você reclama, elas ainda acham que estão com a razão. Comerciantes que agem desta forma só aprenderão, se sentirem "no bolso" as conseqüências de suas atitudes, portanto, nunca compre nada deste tipo de gente.

Por sorte, lembrei de uma conhecida que tem alguns barcos de pesca em Ubatuba e liguei para ela. Consegui o camarões como eu queria.

Felizmente, NEM TODOS os comerciantes são "picaretas".

Enfim, fiz os camarões e ficaram uma delícia!

Já que estou falando de camarão, deixe-me colocar uma receita aqui (olha o que está virando este blog, hahahaha).

Eu aprendi a fazer este prato há dois anos atrás. Não me lembro do nome dele (na verdade, nem entendi quando o "garçon" falou). Sendo assim, em homenagem à nossa peixaria "picareta" vou chamar este prato de CAMARÃO SAFADO.

É um prato bem rústico (safadinho mesmo), mas eu gostei bastante do sabor.

Você vai precisar de 1 quilo de camarões grandes, suco de 1 limão, alho, cebola e sal (estes três últimos na quantidade que quiser).

Retire a cabeça e as pernas dos camarões, mantenha a casca, mas faça um corte nas costas do camarão para tirar a tripa. Lave-os, coloque-os em uma vasilha e vire o suco de limão por cima para desinfetar. Deixe no máximo por dois minutos, jogue o suco de limão fora e lave os camarões novamente.

Pique em pedaços bem pequenos a cebola e o alho, formando algo parecido com uma pasta. Misture com o sal e passe nas costas dos camarões (onde estava a tripa). Cuidado para não salgar demais. Algumas vezes eu coloco esta pasta também entre a casca e o camarão, mas é gosto pessoal.

Leve os camarões em uma grelha para assar na churrasqueira comum (pode ser aquela churrasqueira elétrica também). Quando ficar pronto, é só servir com arroz branco, ou qualquer outra coisa que quiser (quando comi este prato pela primeira vez no restaurante, eles serviram com arroz branco e uma salada de verduras).

( Texto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O QUE SIGNIFICA SER POBRE ?


Minha amiga Paula enviou-me uma apresentação com a mensagem a seguir, cuja autoria é desconhecida por mim.

A maneira como vivemos hoje, sempre "na correria", tem feito com que nossa qualidade de vida decaia muito.

Às vezes, precisamos voltar nossa atenção para o que é simples, o que é básico, para enxergarmos os prazeres da vida. Segue a mensagem:

"Um pai, bem de vida, querendo que seu filho soubesse o que é ser pobre, levou-o para passar uns dias com uma família de camponeses. O menino passou 3 dias e 3 noites vivendo no campo.

No carro, voltando para a cidade, o pai perguntou:

- Como foi sua experiência?

- Boa, responde o filho, com o olhar perdido à distância.

- E o que você aprendeu? Insistiu o pai.

O filho responde:

1 - Que nós temos um cachorro e eles têm quatro.

2 - Que nós temos uma piscina com água tratada, que chega até a metade do nosso quintal. Eles têm um rio sem fim, de água cristalina, onde tem peixinhos e outras belezas.

3 - Que nós importamos lustres do Oriente para iluminar nosso jardim, enquanto eles têm as estrelas e a lua para iluminá-los.

4 - Nosso quintal chega até o muro. O deles chega até o horizonte.

5 - Nós compramos nossa comida, eles cozinham.

6 - Nós ouvimos CD's. Eles ouvem uma perpétua sinfonia de pássaros, periquitos, sapos, grilos e outros animaizinhos... Tudo isso às vezes acompanhado pelo sonoro canto de um vizinho que trabalha sua terra.

7 - Nós usamos microondas. Tudo o que eles comem tem o glorioso sabor do fogão à lenha.

8 - Para nos protegermos vivemos rodeados por um muro, com alarmes. Eles vivem com suas portas abertas, protegidos pela amizade de seus vizinhos.

9 - Nós vivemos conectados ao celular, ao computador, à televisão. Eles estão "conectados" à vida, ao céu, ao sol, à água, ao verde do campo, aos animais, às suas sombras, à sua família.

O pai ficou impressionado com a profundidade de seu filho e então o filho terminou:

- Obrigado, papai, por ter me ensinado o quanto somos pobres!

Cada dia estamos mais pobres de espírito e de observação da natureza, que são as grandes obras de Deus. Nos preocupamos em TER, TER, TER, e cada vez mais TER, em vez de nos preocuparmos em apenas SER."

( Foto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

SÍNDICOS TIRANOS

Hoje, peço licença e desculpas aos amigos que sempre visitam meu blog para ler um texto com algo positivo, pois irei fazer uma crítica.

Em um edifício de São José dos Campos (SP), ocorre um fato, que além de absurdo, no meu modo de ver é irregular.

O síndico, sem mais nem menos, baixou uma norma que diz que proprietários que possuam carro e motocicleta, são obrigados a encostar suas motocicletas em sentido perpendicular à frente do veículo. Mesmo que haja espaço suficiente na garagem para caber os dois veículos em paralelo, respeitando a demarcação do espaço da vaga, o condômino está proibido de encostar sua moto em sentido paralelo com seu veículo.

A cada dia me surpreendo mais e mais com pessoas que não percebem que o direito delas termina quando começa o direito dos outros. Como verdadeiros tiranos que são, acham que todos têm de tolerar a imposição de seus caprichos, não importando se algo está sendo respeitado ou não.

Não adianta você querer conversar, os tiranos são sempre os donos da verdade e arrumam todos os tipos de mentiras e desculpas "esfarrapadas" para justificar sua tirania. Não é a toa que a justiça brasileira encontra-se atolada de processos por causa de imposições absurdas.

Tirando poucas exceções, garagens em edifícios são PROPRIEDADES PARTICULARES e desde que respeitada a faixa que delimita o espaço de sua vaga (sem invadir o espaço da garagem de seu vizinho), o proprietário tem o direito de encostar seu veículo na horizontal, vertical, de cabeça para baixo, do jeito que quiser.

Até entendo que talvez a intenção seja boa, contudo, ninguém tem o direito de passar por cima dos direitos dos outros.

Embora este fato não me prejudique diretamente, deixo aqui o meu protesto pelo abuso cometido.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

terça-feira, 2 de novembro de 2010

FRASES QUE GOSTO (NOVEMBRO 2010)

Frases deste mês:
  • Quem é escravo de seus pensamentos, não é livre para sonhar. - Augusto Cury
  • A paciência é amarga, mas seus frutos são doces. - Kant
  • Se Deus criou as pessoas para amar, e as coisas para usar, por que amamos as coisas e usamos as pessoas?
  • Quando nos vingamos de alguém, perdemos um pouco de nossa inocência.
  • Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu. - Vinicius de Moraes

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

SINTO VERGONHA DE MIM

Depois do ver o resultado das eleições de ontem, coloco aqui este texto, de autoria desconhecida, mas que reflete o que sinto:

Sinto vergonha de mim,
por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil,
enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim,
por ter feito parte de uma era que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez no julgamento da verdade,
a negligência com a família, célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação com o “eu” feliz a qualquer custo,
buscando a tal “felicidade” em caminhos eivados de desrespeito para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim,
pela passividade em ouvir, sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade para reconhecer um erro cometido,
a tantos “floreios” para justificar atos criminosos,
a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre “contestar”,
voltar atrás e mudar o futuro.

Tenho vergonha de mim,
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos que não quero percorrer.

Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir,
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino,
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor ou enrolar meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro!

E finalmente, como disse Rui Barbosa: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.