terça-feira, 27 de novembro de 2012

TÁBUA ESMERALDINA

Em meus estudos sobre esoterismo, por várias vezes ouvi meu mestre falar a frase: "Assim como é aqui em baixo, também é lá em cima".

Na minha postura de eterno buscador, fui pesquisar mais sobre este assunto e descobri que esta frase, faz parte de um texto que é atribuído a Hermes, o Trimegisto.

Este texto recebeu o nome de Tábua Esmeraldina. Foi encontrado no Egito, por soldados de Alexandre Magno. O texto estava gravado em uma esmeralda bem grande.

Segue o texto:

"Isto é complexo, mas é verdade e sem mentiras: tudo o que está aqui em baixo, também está no alto; também no alto está o que está em baixo, pois tudo é obra de uma só coisa.

Todas as coisas vieram e vêm de uma, da qual tudo nasceu e à qual tudo se ajustou, pois tudo se adaptou à ela, A Causa Única.

O Sol é o pai, a Lua é a mãe, o vento o embalou em seu ventre, a Terra é sua alma.

O Pai de tudo, que é a realidade, que é o querer do Universo, aqui está,com sua força total convertida em Terra.

Deveis separar a terra do fogo, o fino e sutil do espesso e grande, suavemente e com todo o cuidado.

Sobe da terra ao céu, e dali, volta à terra, para receber a força do que está em cima e do que está em baixo.

Assim, receberás a luz de todo o mundo, e as trevas se afastarão de ti.

Esta é a força de todas as forças, que vencerá tudo o que é sutil, como vencerá tudo o que é grande, e que penetrará em tudo que é sólido e palpável.

Assim que o mundo foi criado.

Desse modo, ocorrerão mudanças prodigiosas.

Por isso me chamam Hermes Trimegisto, pois possuo as três partes da sabedoria de todo o mundo.

Completo está o que disse sobre a obra do Sol."

Para aqueles que gostam de esoterismo, este texto é um "prato cheio", e permite ao leitor "viajar" em várias interpretações.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

ALGUMAS PALAVRAS

Hoje, em viagem de férias, fui surpreendido com a notícia do falecimento no dia de ontem do colega de trabalho Pedro Fernandes.

Atuamos coordenando áreas completamente diferentes, mas estamos sob a mesma direção.

Durante este ano inteiro trabalhamos em um projeto que teve sua implementação concretizada alguns dias antes de eu sair de férias, e assim que eu retornasse ao trabalho, daríamos continuidade a outro projeto bastante importante.

O que posso dizer do Pedro é que ele é um ser humano e um profissional cuja conduta admiro e respeito.

Nas vezes em que conversamos sobre coisas fora do âmbito do trabalho, notamos que apreciamos muitas coisas em comum, como por exemplo o gosto por idiomas, pela fotografia, por assuntos relacionados à espiritualidade e também pela Maçonaria, embora na última vez que conversamos sobre este tema, ele ainda não fizesse parte desta sociedade.

Ao saber da triste notícia, me veio em mente a importância:
  • De aproveitarmos ao máximo as oportunidades que temos em vida, vivendo cada dia como se fosse o último.
  • De nos respeitarmos, principalmente no trabalho, demonstrando a quem quer que seja, mesmo sob pressão ou até intimidações, que existe limite para tudo, e que não aceitamos que este limite seja ultrapassado.
  • De cuidar de nosso corpo e mente, mantendo-nos sadios o tempo inteiro.
  • De que quando atuarmos como líderes, no exercício de nossas profissões, é nossa obrigação proporcionar aos nossos subordinados um ambiente de trabalho saudável e respeitoso, para que as dificuldades naturais advindas das obrigações profissionais jamais os sobrecarreguem em suas vidas pessoais.
Peço a Deus, que ilumine os caminhos do Pedro, onde ele se encontra agora, e que também ampare toda sua família neste momento tão difícil, e no futuro.

Ao Pedro Fernandes um abraço, de um colega de trabalho que o reconhece como um grande ser humano e profissional. Quero também agradecê-lo, juntamente com seu "time", pelo grande empenho no último trabalho que realizamos juntos. Vocês fizeram um excelente trabalho e tive a feliz oportunidade de participar dele.

Wilson Luiz Negrini de Carvalho

terça-feira, 20 de novembro de 2012

PASSEIO A PARATY E PARATY-MIRIM

De férias, tive a oportunidade de ir novamente a Paraty (RJ).
 



Felizmente, todas as vezes que vou lá, o céu está limpo, e hoje não foi diferente.
 


Cheguei em Paraty por volta de meio-dia e já fui almoçar. Normalmente, vou para lá de manhã logo cedo, mas hoje queria tirar fotos com um ângulo de iluminação diferente, por isso deixei para ir mais tarde.

Há alguns anos atrás quando estive lá, ouvi uma guia local falando para um monte de turistas que por ter tido muitos maçons na época do império, a arquitetura das casas de Paraty continha diversos símbolos usados na Maçonaria.
 


Aproveitando que eu já estava no local, passei por quase todas as ruas procurando as evidências, e elas realmente existem, algumas não tão evidentes assim.
 


Ao sair de Paraty, resolvi dar uma passada em Paraty-Mirim, que é um lugar bem simples, com algumas ruínas, uma pequena igreja ou capela, e uma praia muito bonita. Recomendo a visita.
 




( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

domingo, 18 de novembro de 2012

O PODER DO SILÊNCIO - HENRI DURVILLE


 O Silêncio, nas palavras de Henri Durville:

"O místico não tem necessidade de gritos e transportes para pôr diante de Deus a sua alma prosternada. Sua fé expandiu-se no silêncio.

A voz de Deus não se faz ouvir senão no silêncio e no repouso da alma.

Solidão e o silêncio, essas duas grandes coisas que tocam tão de perto a Deus, que parecem dar-nos qualquer idéia da própria natureza divina e mergulhar-nos antes na sua imensidade para aí retemperarmos as nossas almas debilitadas! A solidão é a pátria dos fortes e o silêncio é a sua prece! Ali Deus fala e age neles; inicia-os nos desígnios generosos, nas empresas enérgicas.

É no silêncio, na solidão, na meditação que o espírito se desprende verdadeiramente e abre as suas asas.

É no silêncio, na solidão e na meditação que a nossa intuição, afinada e aberta pelo esforço empregado, sentirá descer do alto as palavras que nos iluminam, que nos revelam a nós mesmos, que nos desvendam a imensidade que nos rodeia."

( Foto: Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

ROUPA SUJA SE LAVA... AO VIVO

Desde pequeno, minha família sempre me ensinou que nossos problemas deviam ser discutidos em casa, entre nós.

Não é de hoje que observo que existem alguns programas de rádio que são verdadeiras "lavanderias de roupa suja" da vida alheia. Tem também os de televisão, que não perdem em nada para os programas de rádio.

Os ouvintes ou telespectadores, sem qualquer tipo acanhamento, expõem problemas sexuais, financeiros, de relacionamentos, etc, demonstrando não ter, no meu modo de ver, nenhum um pouco de classe e de amor próprio. A coisa fica pior quando envolvem outra pessoa durante a transmissão.

É uma pena que tantos, exponham de maneira tão baixa as suas vidas. Em certos casos, não percebem que a única coisa que demonstram é a própria incompetência em lidar com situações do cotidiano, mas acham que estão fazendo o maior sucesso.

Nada tenho contra as pessoas que promovem este tipo de "programa". Se o um certo "segmento" do público "necessita" deste tipo de coisa, que a tenha então. Pessoalmente, não assisto ou ouço isto.

De um modo geral, vejo no povo brasileiro uma completa falta de educação, de cultura, de noção sobre a realidade do mundo e também da realidade sobre si mesmo.

Sobre a questão da cultura, existe a ironia de que quanto mais uma pessoa a adquire, mais isolada ela fica da multidão. Chega um instante em que por mais que ela se esforce, torna-se difícil participar ou até mesmo ouvir conversas que só falam do "curíntia", ou do "BBB", ou das outras idiotices que assolam a vida da "massa" brasileira.

Se você tentar conversar sobre um aspecto cultural, econômico ou social com estas pessoas, elas não entendem o que você fala e ainda te olham como se você fosse um alienígena. Estes assuntos não fazem parte do "mundo" delas.

Tenho o hábito de perguntar às pessoas que conheço, se gostam de ler e quantos livros lêem por ano. Tirando raríssimas exceções, escuto normalmente... "Eu não gosto de ler". Tudo bem! Cada um tem seu gosto.

Nos últimos anos, parte do povo brasileiro tem, de certa forma, evoluído financeiramente. Pelo menos um pouco. É possível perceber que as pessoas conseguem aquilo que mais querem, mas deixam de buscar aquilo que mais precisam.

Eu acho que este é um dos grandes desafios do povo brasileiro: evoluir na parte cultural. Precisa também ter um pouco mais de educação. Para isto é necessário que as pessoas agreguem estas percepções a seus valores e de alguma forma, consigam ter domínio sobre sua natureza.

Quero ressaltar que como membro da sociedade, também busco constantemente evoluir em todos os aspectos, especialmente o cultural. As regras valem para todos.

Comecei este texto falando de "lavar roupa suja" em público e agora estou falando da falta de educação e cultura do povo brasileiro.

O que tem a ver uma coisa com a outra? Na minha percepção tem tudo a ver. Se o povo brasileiro fosse mais culto e mais educado, jamais participaria deste tipo de coisa.

( Texto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

sábado, 3 de novembro de 2012

RECEITA DE PICADINHO DE CARNE AGRI-DOCE


Segue uma receita de picadinho de carne que tem ingredientes simples, de baixo custo, e com um gosto diferente para fugir um pouco da rotina das refeições do dia-a-dia.

INGREDIENTES
  • 800 gramas de fraldinha sem gordura, picada em pedaços bem pequenos, temperada com sal
  • 3/4 de um talo de alho poró cortado em cubos pequenos
  • 1 cenoura cortada em cubos pequenos
  • 1 cebola cortada em cubos pequenos
  • 2 dentes de alho moídos
  • 1 pimenta dedo-de-moça picada em pedaços bem pequenos
  • 3 tomates sem pele, sem sementes, cortados em cubos
  • 2 xícaras de caldo de carne
  • 100 ml de vinho tinto seco
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 1 colher de sobremesa de Maisena
  • 1/2 xícara de água
  • 1 folha de louro
  • 1 cravo-da-índia
  • Sal a gosto

MODO DE PREPARO

Comece dourando a carne no azeite, em fogo médio-alto.

Em seguida acrescente o alho, alho-poró, cebola, cenoura, pimenta dedo-de-moça e o açúcar. Mexa bem e deixe cozinhar até secar um pouco a água.

Junte o vinho e o tomate. Em fogo médio, com a tampa da panela aberta, deixe evaporar.

Coloque o louro, o cravo-da-índia e o caldo de carne, mexa bem e deixe cozinhar em fogo médio, com a panela tampada por cerca de 20 minutos, mexendo de vez em quando.

Acerte o sal.

Dilua bem a Maisena em 1/2 xícara de água e vire na panela, mexendo sem parar para não "empelotar".

Cozinhe por mais uns 4 minutos, mexendo sempre.

Sirva acompanhado de arroz branco e farofa, ou então batatas fritas.

Texto e foto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

FRASES QUE GOSTO (NOVEMBRO/2012)

Frases deste mês:
  • O místico não tem necessidade de gritos e transportes para por diante de Deus a sua alma prosternada. Sua fé expandiu-se no silêncio. - Henri Durville
  • Iluminado é quem reflete a Luz que recebe, e não quem somente a absorve sem multiplicá-la. - Raymundo D'Elia Junior
  • Algumas pessoas se abrem apenas para te dizer que estão fechadas.
  • Com que solenidade o homem sábio se aproxima de um grão de pó! - Aleister Crowley
  • O vento nunca é favorável quando não há rumo. - Francisco Rolland